Nem sempre compreendemos bem os termos imobiliários, não é mesmo? Muitas vezes as palavras usadas neste mercado são complicadas ou podem até apresentar um sentido diferente daquele que conhecemos pelo senso comum.  Durante o processo da venda ou compra do seu imóvel, é muito provável que você se depare com várias dessas palavras. Pensando nisso, resolvemos dar uma forcinha para facilitar a sua compreensão. Continue a leitura e confira nosso dicionário completo de termos imobiliários.

Aproveite esse pequeno guia para se familiarizar com o sistema, mas indicamos que você conte sempre com o trabalho de um profissional de corretagem. É ele quem está preparado para, além de compreender os termos, agir da melhor forma para o seu negócio. 😉

A

Administradora condominial: Empresa que presta serviços administrativos para imóveis em condomínios. Assessoria ao síndico é uma das principais atividades, auxiliando em questões legais como cobranças de despesas

Área comum: Local compartilhado entre moradores e visitantes em um condomínio. Corredores, jardins e outras áreas de circulação.

Área útil: Área privada de um apartamento excluindo as paredes. É o espaço utilizável do interior da propriedade.

Averbação: É a anotação na matrícula do imóvel sobre qualquer alteração feita no espaço físico do imóvel. Isso é feito no Cartório de Imóveis.

Alienação fiduciária – Transferência de um imóvel do devedor para o credor, como garantia do pagamento da dívida.

Amortização: Pagamento de parcelas de uma dívida.

B

Benfeitorias: São as obras que acabam valorizando um imóvel.  

C

Carta de crédito: É o documento que o banco emite após o crédito aprovado. Com ele é possível firmar um compromisso de compra e venda do imóvel com o proprietário.

Caução: Garantia feita com algum título, itens de valor ou cheques de que determinado valor contratual será pago.

Certidão de registro de imóveis: É o documento que atesta que um imóvel está regular.

Certidão negativa: Documento que mostra o histórico de existência ou não de ações civis, criminais ou federais contra uma pessoa.

Código de obras e edificações: Legislação de cada município que estabelece regras gerais para um projeto, desde os procedimentos administrativos, executivos, licenciamento e até sobre a utilização de equipamentos na obra.

D

Depreciação: É a perda do valor de mercado anterior. Mau uso e falta de conservação do bem, desvalorização do bairro ou deficiência em investimentos na região são alguns motivos que levam à depreciação.

Dimob: é a Declaração de Informações sobre Atividades Imobiliárias. Esse documento deve ser, obrigatoriamente, entregue à Receita Federal pelas pessoas jurídicas que comercializem os imóveis que construíram.

E

Escritura Pública: É o documento que será outorgado quando o comprador já tiver pago o valor do contrato e tudo estiver acertado. Ele deve ser levado para o Cartório de Registro de Imóveis para fazer a transferência da propriedade.

H

Habite-se: É o documento da prefeitura que autoriza a ocupação de um imóvel reformado ou recém construído.

Hipoteca: Quando bens são usados como garantia do pagamento de dívidas.

I

IGP-M (Índice Geral dos Preços – Mercado): Índice utilizado para atualizações monetárias, geralmente usado pós conclusão de obras.

Imóvel na planta: É o nome dado ao imóvel que ainda não teve a construção iniciada.

Imposto de transmissão: Taxa proporcional ao valor do imóvel cobrada pelas prefeituras a cada alteração na propriedade.

IPTU: Imposto sobre a Propriedade Predial e Territorial Urbana. É uma taxa baseada no valor do imóvel, que é cobrada pela prefeitura.

Inadimplência: Descumprimento de obrigação, como o pagamento de dívidas ou de prestações.

J

Juro: percentual cobrado sobre o valor de empréstimos ou sobre valor depositado.

Juro composto: Quando o juro é somado sobre uma parcela que já contém outros juros.

Juro simples: Juro que é aplicado integralmente a cada parcela, sem acúmulo de juros.

L

Lei de Incorporações – Lei federal n° 4.591, de 1964, que trata sobre condomínios em edificações..

Lei do Inquilinato – Lei federal n.º 8.245, da 1991. Regula a locação de imóveis residenciais.

Locador – Aquele que  cede o uso de bem móvel ou imóvel ao locatário, em troca do recebimento de pagamento de  aluguel.

Locatário – Quem recebe a posse de imóvel para uso por determinado tempo estipulado em contrato e pagamento de valor. Também conhecido como inquilino.

M

Matrícula do imóvel: Número de registro do imóvel no cartório do Registro Geral de Imóveis.

Memorial descritivo: É o grande livro da construção. No documento deve constar qualquer material e equipamento que foi aplicado na obra.

Mutuário: É o nome que se dá ao usuário de empréstimo junto a instituições financeiras para uso em imóvel.

N

Nota promissória: Documento escrito em que alguém  se compromete a pagar determinado valor para pessoa física ou jurídica em data específica.

P

Pé-direito: Altura de um ambiente medida do piso ao teto.

Pé-direito duplo: Quando a altura do piso ao teto for o dobro do tamanho padrão, chama-se pé direito duplo.

Permuta – Troca mútua e simultânea de bens, como imóveis, entre seus proprietários.

Q

Quitação: pagar a dívida completamente. O termo de quitação é a declaração de que a dívida foi paga integralmente.

R

Rescisão: Rompimento de um contrato.

Reserva de propriedade: é o direito do vendedor de se manter como proprietário do imóvel que está sendo vendido até que o comprador cumpra com todos os procedimentos legais e financeiros da transação

S

Saldo devedor: nada mais é do que o saldo negativo, a quantia em dinheiro que o tomador do empréstimo deve pagar.

Saldo residual: O valor que, depois de vencido o prazo do contrato, ainda resta a mais ou a menos.

Sinal: O sinal é o valor que o comprador paga, quando acordado, para garantir o negócio antes mesmo dos processos todos estarem concluídos.

T

Tombamento: Ações públicas com o objetivo de preservar, através da aplicação de legislação, bens de valor histórico, cultural, arquitetônico, ambiental e afetivo para a população, impedindo a descaracterização ou destruição dos mesmos. É comum vermos em fachadas antigas, por exemplo.

U

Usufruto: Direito conferido a alguém  durante certo tempo, que a autoriza a retirar de algum bem, os “frutos” que esse bem produz ou propicia.

V

Valor de mercado: Valor de compra e venda de um imóvel, pela relação de oferta e procura.

Valor venal: Valor definido  pela prefeitura a cada imóvel, considerando a metragem, destinação, localização e características.

Valorização: Crescimento do valor de mercado de um determinado imóvel. Está relacionada com diversos fatores, como o crescimento do entorno, revitalização de espaços, momento econômico do país e outros investimentos no local ou proximidades.

Z

Zoneamento: Divisória de regiões urbanas com características específicas, como tipos de construção permitidos e atividades,  dentro de um município.

 

Ufa! São muitos termos imobiliários, não é mesmo? Qualquer dúvida que você tiver, bastar deixar seu comentário que estamos preparados para ajudá-lo. Conte com a gente!

Até breve! 🙂

Carolina Vaisz

 

Deixe um Comentário